Text size

Poema do mês de novembro de 2014

Enfia, a agulha

Enfia a agulha
E ergue do colo
A costura enrugada.
Escuta: (volto a folha
com desconsolo).
Não ouviste nada.

Os meus poemas - este
E outros que tenho -
São só a brincar.
Tu nunca os leste,
E nem mesmo estranho
Que ouças sem pensar.

Mas dá-me um certo agrado
Sentir que tos leio
E que ouves a valer.
Faz um certo quadro.
Dá-me um certo enleio...
E eu leio a esquecer.

Fernando Pessoa, Poesias Inéditas

Agrupamento de Escolas de Seia - Rua Alexandre Herculano (sede) - 6270-428 SEIA - Telef: 238 315 717 - Fax: 238 317 416 - Email: direccao@aeseia.org