Text size

lmo2016OS MISERÁVEIS

Victor Hugo

Autor: Victor Hugo nasceu em 26 de fevereiro de 1802 e faleceu em 1885, na França. É considerado o principal nome do romantismo francês. Escreveu muitos poemas e romances lembrados até hoje. Entre eles, O Corcunda de Notre Dame e Os trabalhadores do mar. A obra de Victor Hugo supera o seu tempo. Retrata com profundidade a condição humana e todos os níveis da sociedade, dos nobres aos excluídos. As suas personagens possuem vida própria, pois são capazes de denunciar a miséria, a falta de justiça e a necessidade de construir um mundo melhor.

Resumo: Um clássico de convicção, humanismo e coragem. Um romance imortal. Romance social marcado por uma vasta análise de costumes da França de meados do século XIX, Os Miseráveis revela uma grande complexidade tanto ao nível da escrita como da própria intriga, misturando-se intimamente realismo e romantismo. Num contexto histórico que cobre o período entre a batalha de Waterloo e as barricadas de Paris, Vítor Hugo apresenta-nos a história de Jean Valjean, um popular prisioneiro condenado por ter roubado um pão e cuja pena será agravada por tentativa de evasão. Em vez de ser reeducado pela justiça humana para a vida civil, é endurecido no mal. 

Ao ganhar a liberdade sai da cidade à procura de um lugar para dormir e se alimentar. Entretanto, é expulso de todas as hospedarias, pois consideravam-no como um dos piores bandidos de sempre. Com frio e fome ele bate à porta da casa de um bispo que o acolhe com dedicação, por mais que soubesse de quem se tratava. Jean Valjean rouba castiçais e alguns talheres do bispo. Mas, logo depois, é apanhado pela polícia que o leva até a casa do bispo. Este, por sua vez, mente dizendo que havia dado os objetos ao hóspede e perdoa-o.
Arrependido, Jean Valjean percebe o quanto é hipócrita e decide praticar a honestidade e o bem ao próximo. Na Alemanha, ele torna-se dono de uma fábrica. Embora fosse rico sempre foi procurado pela justiça pelo inspetor Javert, um homem muito severo e dedicado à profissão que exercia. Porém, Jean sempre escapava das emboscadas, pois era habilidoso e forte. Quando mudou de identidade e passou a chamar-se Madeleine, conheceu uma mulher chamada Fantine. Ela tinha uma filha chamada Cosette, a qual morava com a família dos Thénardier, pois a sua mãe não tinha condições financeiras para a criar. Cosette trabalhava na casa dos Thénardier como se fosse uma escrava. Apanhava e era humilhada pelas filhas do casal. No entanto, a sua mãe não sabia. Quando Fantine faleceu, e como Jean Valjean havia prometido, ele foi procurar Cosette e levou-a para morar consigo. Jean passou a tratar de Cosette e a considerá-la como filha, oferecendo-lhe carinho e amor paterno.

Cosette conheceu um rapaz com o qual se casou, tendo Jean passado a morar sozinho. Jean adoeceu e morreu.

No seu túmulo estava apenas escrita a seguinte frase: “Ele dorme. Embora a sorte lhe tenha sido adversa. Ele viveu. Morreu quando perdeu seu anjo; Partiu com a mesma simplicidade; como a chegada da noite após o dia”.

Esta história imbuída de misticismo e maravilhoso é, antes de mais, uma denúncia de todo o tipo de injustiças, espelhando de forma exemplar as contradições e grandezas do século XIX.

EDITORA:  Martin Claret

Sugestão: Manuela Silva

 

Agrupamento de Escolas de Seia - Rua Alexandre Herculano (sede) - 6270-428 SEIA - Telef: 238 315 717 - Fax: 238 317 416 - Email:  Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.